terça-feira, 7 de março de 2017

CERRADO: CAMPANHA DA FRATERNIDADE BUSCA A PRESERVAÇÃO DOS BIOMAS

 
 
 
O tema deste ano é: Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida
Com o objetivo de alertar a necessidade do respeitar o meio ambiente, especialmente, os biomas brasileiros, a Campanha da Fraternidade 2017 terá início em todo Brasil dia 1º de março. Com o tema “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida” e o lema “Cultivar e guardar a criação”, a iniciativa traz uma reflexão sobre o meio ambiente e sugere uma visão global das expressões da vida e dos dons da criação de Deus.
A Campanha da Fraternidade é marcada pelo empenho de todos em favor da solidariedade e fraternidade, sempre abordando temas atuais, que a cada ano propõe uma transformação social, partindo das comunidades, seja ela em desafios sociais, econômicos, culturais e até mesmo religiosos, que nos convida a vivenciar três momentos de fé: ver, julgar e agir.
Para despertar o desejo em pessoas de boa vontade a colocar em prática as propostas cristãs como estender a mão a quem mais precisa, engajamento político e um comprometimento com a vida em sociedade, a CF é um convite à conversão pessoal e social, dos cristãos e não cristãos, para cultivar e cuidar da criação.
Entre as ações concretas estão: o aprofundamento de estudos, debates, seminários e celebrações nas escolas públicas e privadas sobre a temática abordada pela CF. O fortalecimento das redes e articulações, em todos os níveis, também é proposto com o objetivo para suscitar uma nova consciência e novas práticas na defesa dos ambientes essenciais à vida. Além disso, o subsídio da CF chama atenção para a necessidade de a população defender o fim do desmatamento para todos os biomas e sua composição florestal.
No campo político, a CF incentiva a criação de um Projeto de Lei que impeça o uso de agrotóxicos. Também indica que combater a corrupção é um modo especial para se evitar processos licitatórios fraudulentos, principalmente, aqueles que tem como consequência enchentes e secas que acabam sendo mecanismos de exploração e desvio de recursos públicos.
No texto-base da CF 2017, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) destaca a importância que cada comunidade, a partir do bioma em que vive e em relação aos povos originários desses biomas, faça o discernimento de quais ações são possíveis, e entre elas quais são as mais relevantes e de impacto positivo e duradouro.
Papa Francisco proferiu uma mensagem no Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação em que ressalta que pretende renovar o diálogo sobre os sofrimentos que afligem os pobres e a devastação do meio ambiente: “A criação é obra amorosa de Deus confiada a seus filhos e filhas. Nossa Senhora Mãe de Deus e dos homens acompanhará as comunidades e famílias no caminho do cuidado e cultivo da casa comum no tempo quaresmal”.

BIOMAS – Pode-se Definir Bioma como um conjunto de ecossistemas que funcionam de forma estável. Um bioma é caracterizado por um tipo principal de vegetação, sendo que em um mesmo bioma podem existir diversos tipos de vegetação. Os seres vivos vivem de forma adaptada às condições da natureza (vegetação, chuva, umidade, calor, etc) existentes. O Brasil é formado por seis biomas de características distintas: Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Pampa e Pantanal.
CERRADO
Conhecido como berço das águas brasileiras, o cerrado possui a segunda biodiversidade mais rica de todo o planeta, atua como um elo conectando outros quatro biomas brasileiros, faz a ponte entre floresta amazônica, caatinga, mata atlântica e pantanal. Se o cerrado acabar é como se quebrasse o elo que ligam todos esses ecossistemas. Causaria ainda problemas hídricos de grandes proporções, pois o cerrado alimenta três grandes aquíferos e seis das oito bacias hidrográficas.
Infelizmente, por causa do avanço da agricultura nesta região, principalmente da soja, o cerrado vem diminuindo de tamanho com o passar dos anos. O crescimento da pecuária de corte também tem colaborado para a diminuição deste tipo de vegetação. Ambientalistas afirmam que nos últimos 50 anos a vegetação do cerrado diminuiu para a metade do tamanho original.
As duas principais ameaças à biodiversidade do Cerrado estão relacionadas a duas atividades econômicas: a monocultura intensiva de grãos e a pecuária extensiva de baixa tecnologia. O uso de técnicas de aproveitamento intensivo dos solos tem provocado, há anos, o esgotamento dos recursos locais. O uso indiscriminado de agrotóxicos e fertilizantes tem contaminado também o solo e a água.
Além do reduzido número de áreas de conservação, o problema maior tem raízes nas políticas agrícolas e de mineração impróprias e no crescimento da população. Historicamente, a expansão agropastoril e o extrativismo mineral têm se caracterizado por um modelo predatório. A ocupação da região é desejável, mas desde que aconteça racionalmente.
A destruição e a fragmentação de habitats consistem, atualmente, na maior ameaça à integridade desse bioma: 60% da área total são destinados à pecuária e 6% aos grãos, principalmente, soja. De fato, cerca de 80% do Cerrado já foi modificado pelo homem por causa da expansão agropecuária, urbana e construção de estradas – aproximadamente 40% conserva parcialmente suas características iniciais e outros 40% já as perderam totalmente. Somente 19,15% correspondem a áreas nas quais a vegetação original ainda está em bom estado.

0 comentários:

Postar um comentário