domingo, 20 de dezembro de 2015

O NATAL SEM CRISE

O Natal está chegando. Todos os ambientes são ornamentados e projetados para que as pessoas pensem no que estão a celebrar. Pelas ruas dos centros das cidades, muitas luzes e árvores são colocadas. Os representantes públicos aproveitam o ensejo para maquiar as gestões desastrosas e ineficientes. Nos shoppings, o efêmero é o mais exposto. Os meios de comunicação massificam o inconsciente coletivo para que este compre e necessite do supérfluo. Uma alucinação social é fortalecida, para que a pessoa humana se torne objeto das estruturas econômicas e de consumo.
Na atualidade nos encontramos com a permanente ênfase dada à crise econômica. Estudiosos defendem que ela é, antes de tudo, antropológica. Esta é fruto da Era da Razão que patrocinou o ofuscamento de Deus da condição humana. As crises do humano contemporâneo estão vinculadas à perda de um referencial objetivo e esclarecedor da própria existência. O que faz sentido para o homem posmoderno é o que pode situá-lo aqui e agora. Por isso, ele veio a ser presa fácil de quem consegue manipulá-lo e aliena-lo do real e de tudo o que oferece algum sentido para a vida. Numa sociedade individualizada não há espaço para o que forma a subjetividade, mas o que a coisifica. O indivíduo é transformado numa situação. A crise é o confronto da razão consigo mesmo, sem uma referência com algo que a sustente. Há uma dificuldade de encontrar a verdade. Neste sentido, a mensagem do Papa Francisco para a celebração do 49° Dia Mundial da Paz, é bem consistente. O pontífice assinala três formas de indiferenças que não possibilitam a experiência da paz no mundo contemporâneo, a saber: A indiferença para com Deus; para com o Outro e para com a realidade circundante. Estas três estão levando a Sociedade à indiferença globalizada. O Papa jesuíta preceitua que há a urgência de ser formada uma cultura da solidariedade e misericórdia para vencer a indiferença. Ele afirma que “em primeiro lugar as famílias são chamadas a uma missão educativa primária e imprescindível. Elas constituem o primeiro lugar onde se vivem e transmitem os valores do amor e da fraternidade, da convivência e da partilha, da atenção e do cuidado pelo outro. São também o espaço privilegiado para a transmissão da fé, a começar por aqueles primeiros gestos simples de devoção que as mães ensinam aos filhos”. O que mais é necessário para que as famílias celebrem o autêntico Natal do Senhor é justamente a presença do amor, da solidariedade e do perdão. Estes sentimentos nunca podem estar em crise num ambiente familiar sadio e humanizado.
A crise de compreensão do verdadeiro sentido do Natal nos interpela a pensar uma ordem sistêmica sem a presença de ações humanas que não gerem rupturas, mas harmonia e coesão sociais. Os fenômenos conjunturais da violência, intolerâncias, guerras, fundamentalismos religiosos, injustiças, corrupções e descaso com a vida dos mais vulneráveis, devem nos interpelar. O que pode ser feito para que o Ser Humano não seja o pior inimigo dele mesmo? Ele tem que voltar-se para uma realidade que possa dizer a sua verdade.
Por fim, como celebrar o Natal em tempos de crise econômica, política, religiosa e, por isso, humana? Procurando celebrá-lo como deve ser vivido; ou seja, como um acontecimento cristão, e não como pagão. Se assim o fizermos, seremos condicionados por uma situação social que, sendo indiferente a Deus e à revelação do Seu amor, não nos deixará encantar pelos sentimentos de alegria e bondade que devem concretizar-se em nossas vidas e nas celebrações natalinas. Estejamos atentos e nos convertamos à centralidade do Menino Deus, em nossas vidas! Assim o seja!



Pe. Matias Soares
Pároco de São José de Mipibu-RN  

0 comentários:

Postar um comentário