quarta-feira, 16 de julho de 2014

OS MANDAMENTOS NO CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA III

O terceiro Mandamento da Lei de Deus é conhecido, na tradição católica, como: “guardar os domingos e festas”. Entende-se isto, como veremos mais adiante, devido a Ressurreição de Cristo ter se dado no Domingo, o “Dies Domini” – o Dia do Senhor. No Decálogo, entregue a Moisés, a terceira ordem divina determina: “Lembra-te de santificar o dia do sábado. Trabalharás durante seis dias e farás todos os trabalhos, mas o sétimo dia é sábado, descanso dedicado ao Senhor teu Deus. Não farás trabalho algum” (Ex 20, 8-10). Alguns grupos hebreus, sobretudo os Fariseus, radicalizaram tanto este mandamento a ponto de criticarem fortemente a Jesus por realizar curas e outros atos de misericórdia no dia de sábado, o que levou o Senhor a afirmar: “O sábado foi feito para o homem, e não o homem para o sábado” (Mc 2,27), e ainda: “O Filho do Homem é senhor também do sábado” (Mc 2, 28). Originalmente, Deus exige o descanso no sábado em vista do bem do próprio homem: “Se Deus, no sétimo dia, ‘parou para respirar’ (Ex 31,17), também o homem deve ‘descansar’ e deixar que os outros, sobretudo os pobres, ‘retomem fôlego’. O Sábado faz cessar os trabalhos cotidianos e concede uma pausa. É um dia de protesto contra as escravidões do trabalho e o culto ao dinheiro” (CIC, n. 2172).  
Para o cristão católico e os da maioria das outras igrejas e comunidades cristãs o seu “sábado” é o domingo. Isto deve-se ao fato da Ressurreição de Jesus Cristo ter acontecido no domingo, “no primeiro dia da semana” (Mc 16,2): “Como primeiro dia, o dia da Ressurreição de Cristo lembra a primeira criação. Como ‘oitavo dia’, que segue o sábado, significa a NOVA CRIAÇÃO inaugurada com a Ressurreição de Cristo. Para os cristãos ele se tornou o primeiro de todos os dias, a primeira de todos as festas, o dia do Senhor” (CIC, n. 2174). Este dia é especialmente dedicado ao culto divino, sobretudo a Eucaristia: “O domingo, dia em que por tradição apostólica, se celebra o Mistério Pascal, deve ser guardado em toda a Igreja como dia de festa de preceito por excelência. Igualmente, devem ser guardados o dia do Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo, da Epifania, da Ascensão e do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, de Santa Maria, Mãe de Deus, de sua Imaculada Conceição e Assunção, de São José, dos Apóstolos Pedro e Paulo e, por fim, de Todos os Santos” (CIC, n. 2177). Estão dispensados do preceito dominical os doentes e os que assumem o cuidado destes, dos idosos e das lactentes. Contudo, aqueles que, em boa saúde e consciência faltam deliberadamente a esta obrigação cometem pecado grave (CIC, n. 2181). Este Mandamento visa não só o culto divino, mas também a convivência familiar, o lazer e o repouso, tão necessários a saúde do homem. Daí o dever dos poderes públicos e das empresas – sobretudo que funcionam aos domingos – assegurar aos cidadãos um dia semanal de repouso, onde também possam, livremente, praticar a sua própria fé na companhia de sua família (Cf. CIC, nn. 2184 – 2188).




 
Pe. José Lenilson de Morais 

Professor do Curso de Teologia da FHAS 


Vigário Paroquial de São José de Mipibu




0 comentários:

Postar um comentário