domingo, 30 de março de 2014

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE FRATERNIDADE E TRÁFICO HUMANO

No último dia 27, por uma proposta feita pela Paróquia de Sant’Ana e São Joaquim, foi realizada uma audiência pública na Câmara Municipal de São José de Mipibu acerca do tema da Campanha da Fraternidade deste ano: Fraternidade e Tráfico Humano; “É para a liberdade que Cristo nos libertou.” Gl 5,1. A Igreja Católica cumpre mais uma vez o seu papel de levantar discussões e possíveis soluções para problemas tão relevantes de nossa sociedade.


Compuseram a mesa: o Padre Matias Soares, Pároco de São José; o vereador Figueiredo Varela, Presidente da Câmara; a juíza de direito Mirian Jácome, titular da Comarca de Mipibu; o Diácono Francisco Adilson, Assessor do Vicariato Episcopal para as Instituições Sociais da Arquidiocese de Natal; o deputado estadual, Hermano Morais; e o professor de direito, vereador da cidade de Natal e delegado da Polícia Civil, Heráclito Noé.

O plenário estava repleto por representantes de grupos e pastorais da igreja, bem como pelos demais cidadãos. A audiência iniciou por volta das 19h30 com o hino da Campanha, seguido das palestras e consequente debate. O Padre Matias e o Vereador Figueiredo fizeram a abertura do evento e saudaram os que estavam presente, mencionando a importância daquela reunião na conscientização da comunidade.


O Diácono Adilson começou discutindo a atual conjuntura socioeconômica do Brasil e a influência destes fatores no grande número existente de casos de Tráfico Humano para fins de exploração sexual, do trabalho escravo e do tráfico de órgãos. Relacionou de forma direta este problema à exclusão social.

Em sequência o delegado Heráclito enfatizou a importância de se conhecer as particularidades de determinado local, bem como as dificuldades que ele enfrenta, antes da implantação de medidas. Trouxe como exemplo concreto, o caso das crianças desaparecidas no bairro do Planalto em Natal.


A juíza Mirian afirmou que não há casos, pelo menos, retratados sobre a existência de Tráfico Humano em nossa cidade, mas ao mesmo tempo preocupou-se em orientar a população de que o judiciário só poderá atuar com a denúncia dos mesmos. 

O Deputado Hermano parabenizou a Igreja pela iniciativa e insistiu na posição de que a população deve auxiliar fazendo a sua parte na identificação e denúncia. No momento do debate, Carlos, coordenador do Movimento Fé e Luz revelou sua indignação com a atual situação do município em termos de segurança e o vereador Josieide questionou as iniciativas concretas futuras da CNBB sobre o tema.


As palavras finais foram do nosso pároco, Padre Matias, que em analogia a expressão pela qual o município de São José é conhecido, como “terra de engenho”, revela a manutenção de uma estrutura escravocrata, onde muitos detentores do poder econômico utilizam da mão de obra dos mais necessitados de maneira irregular. É preocupado com esses nossos irmãos que ele, bem como todos nós que fazemos a paróquia de Sant’Ana e São Joaquim, levantamos essa bandeira.

Agradecemos de forma especial os paroquianos que estiveram na audiência. Somos chamados a ser cristãos atuantes. A paz de Cristo a todos!

MAIS FOTOS NO LINK ABAIXO

0 comentários:

Postar um comentário